página inicial
mensagem diretoria
sobre a câmara
acordos
historico
como associar-se
negócios
comunidade
cultura e turismo
feiras
fotos
publicidade
filiais
patrocinadores
dados estatisticos
carta embaixador
contato
     email  e-mail
site criado e desenvolvido por WbCD

http://www.advocaciarsilva.com.br/

Portal do Estado de São Paulo

Cummins

J&J





Artigos de Peter Palms em Inglês

Brazilian Beef

Abitrigo

Café Mogi

Sadia

abef






abipecs

Download do Adobe Acrobat Reader

SUAPE PODE TER SIDERÚRGICA RUSSA

INVESTIDORES ASSINARAM PROTOCOLO DE INTENÇÕES DO PROJETO, ESTIMADO EM US$ 2 BILHÕES

Os grupos russos TMK e Commetpron estudam a implantação de uma siderúrgica de aços planos no Complexo Industrial de Suape. O protocolo de intenções com o Governo do Estado foi assinado ontem.

Caso o projeto se concretize, demandará investimentos de aproximadamente US$ 2 bilhões, o mesmo valor previsto para a instalação da refinaria de petróleo que o presidente Lula deve anunciar em julho. A expectativa é a de uma geração de cerca de 8 mil empregos diretos e 16 mil empregos indiretos. O estudo de viabilidade econômica deve ser concluído em até 8 meses, mas tanto representantes do Governo estadual quanto dos russos dão como certa a construção da unidade em Pernambuco.

O projeto está dividido em três etapas. Na primeira, a siderúrgica fabricará matéria-prima para a produção de aço plano. Serão necessários três anos e US$ 600 milhões para a construção da fábrica até este ponto. Na segunda fase serão instaladas linhas de laminadores a quente e a frio. A última etapa vai disponibilizar sortimentos de metais para a indústria de construção. O funcionamento pleno da siderúrgica só deve acontecer após sete anos, informou o Presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Rússia em São Paulo, Antonio Carlos Rosset. Os recursos necessários para a implantação serão russos, de parceiros brasileiros e bancos nacionais.

Faturamento- Os equipamentos devem vir em grande parte da Rússia e da Alemanha. Quando as três fases estiverem concluídas, a fábrica terá capacidade de produzir até três milhões de toneladas anuais. O faturamento pode chegar a US$ 1,5 bilhão por ano. – Esperamos construir uma boa siderúrgica aqui no Estado para judar a desenvolver Pernambuco, resolvendo problemas industriais e sociais-, declarou o diretor geral da Commetpron Sergey B. Vilkin, que participou da assinatura do protocolo de intenções com o diretor técnico da TMK, Klachkov Aleksandr.

Até 100% da produção podem ser exportados, principalmente para clientes dos mercados europeu e norte-americano.

“Temos representantes na Itália, Espanha, Suíça, Alemanha, Estados Unidos”, destacou Aleksandr.

Mas o mais provável é que as vendas externas fiquem em 80% para que a fábrica atenda também o mercado interno. O possível estaleiro da Camargo Corrêa poderá ser um dos compradores do aço produzido pela siderúrgica russa.

Seria algo em torno de 100 mil toneladas de chapas por ano, explicou o vice-presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Rússia em São Paulo, Grigori Israelevich Goldchleger. “Estamos escolhendo o local onde a siderúrgica será instalada”, adiantou o presidente do Porto de Suape, Matheus Antunes. Segundo ele, os empresários informaram que planejam comprar uma área de mil hectares. Como cada hectare custa R$ 40 mil, eles iriam gastar só com o terreno R$ 40 milhões.

Fonte: Diário de Pernambuco- Recife, quinta-feira, 26 de Maio de 2005.

 

Negociações para o Projeto começaram há seis meses

Governo do Estado analisa possíveis incentivos ao empreendimento

O Secretário Estadual de Desenvolvimento Econômico, Alexandre Valença, comentou que as negociações para a implantação da siderúrgica russa foram iniciadas há cerca de seis meses, Começaram depois que a MHAG Serviços e Mineração anunciou a exportação de minério de ferro por Suape. O produto virá de jazidas do Rio Grande do Norte. Segundo Valença, é uma forma de agregar valor ao produto.

Possíveis incentivos estão sendo analisados pelo Estado.

“Não queríamos que o Estado fosse apenas um entreposto de minério” garantiu o Secretário. O consumo inicial estimado da siderúrgica será de 1,5 milhão de toneladas;ano de minério de ferro. Quando estiver funcionando integralmente, vai requerer até 4,5 milhões de toneladas/ano.

Grigori Israelevich Goldchleger, vice-presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Rússia-SP informou que a fábrica vai necessitar de um fornecimento de 800 mil metros cúbicos de gás natural/dia.

Questionado sobre a possibilidade de o Estado não dispor desse volume ( uma vez que a usina Termo-Pernambuco não produz sua capacidade plena ), o presidente de SUAPE, Matheus Antunes, disse que o problema será resolvido com a construção do Gasene. O gasoduto ligará as regiões Sudeste e Nordeste. Os russos destacaram outras vantagens para a escolha por Pernambuco.

Segundo eles, o custo de mão de obra é mais baixo que na Europa, por exemplo, além das próprias despesas com a construção, já que não será preciso instalar um sistema de aquecimento. “Teremos energia, porto, além de mão de obra qualificada”, destacou Sergey B. Vilkin, diretor geral da Commetpron. Na última terça-feira, Vilkin e Klachkov Aleksandr foram recebidos pelo governador Jarbas Vasconcelos no Palácio do Campo das Princesas.

A TMK é a segunda maior companhia de produção de tubos do mundo e um dos três maiores grupos siderúrgicos da Rússia. Possui seis fábricas, quatro na Rússia e duas na Romênia. Mais de 60% dos tubos para gasoduto e oleodutos das companhias petrolíferas da Rússia saem das fábricas da TMK, que tem 50 mil funcionários e movimenta 6 bilhões por ano. Já a Commetpron é uma assoociação de 21 empresas, fatura US$ 3 bilhões anuais.

Pacote- A siderúrgica é mais um grande projeto anunciado pelo Estado. No mesmo patamar estão a refinaria, o pólo de poliéster e o estaleiro da Camargo Corrêa. Na viagem que fará em julho ao Estado, o presidente Lula deve oficializar o início de outros importantes projetos de infra-estrutura, como a transposição de águas do Rio São Francisco, a ferrovia transnordestina, com seu novo traçado e a instalação de plantas para processar biodiesel. Lula confirmou a visita durante encontro com o governador Jarbas Vasconcelos.

Fonte: Diário de Pernambuco- Recife, quinta-feira, 26 de maio de 2005.

 

Russos Planejam Investir US$ 1,8 bilhão de Suape

Infra-Estrutura Grupos TMK e Commetpron assinaram protocolo para implantar uma siderúrgica em Suape, que deve estar produzindo em três anos. Os grupos tem 21 unidades industriais

O Porto de Suape poderá receber investimentos de empresérios russos para instalação de uma siderúrgica de aços planos especiais. O investimento poderá ultrapassar a casa de US$ 1,8 bilhão numa primeira fase e chegar a US$ 3 bilhões a depender do mercado internacional, conforme atestaram, ontem, no Recife, o diretor técnico da TMK, Klachkov Aleksandr e o diretor geral da Commetpron, Segey Vilkin. Os dois foram recebidos pelo governador Jarbas Vasconcelos ( PMDB ) na segunda-feira e, ontem a tarde, assinaram protocolo de intenções com o Governo do Estado junto com o Secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Alexandre Valença e o presidente do Complexo Industrial e Portuário de Suape, Matheus Antunes.

Os russos pretendem instalar linhas de produção e começar a produzir em três anos. A primeira etapa do projeto, ao custo estimado em US$ 600 milhões, começa imediatamente com a contratação do estudo de viabilidade econômica, já encomendado a paulista ADB Consultoria. A idéia é estar com toda a planta da produção da siderúrgica em pleno funcionamento em sete anos, quando seriam processados 3 milhões de toneladas de minério de ferro, produzindo chapas de um a dois milímetros na linha a quente e outras de espessura de 0,6 milímetros na linha a frio.

O estaleiro da Camargo Corrêa, Petrobrás com seus gasodutos, e o pólo metal-mecânico do Estado estão no topo da lista da demanda local. Os russos, porém, admitem que podem exportar a maior parte da produção. A plena carga, a siderúrgica gerará até 8 mil empregos diretos.

As condições ideais para a implantação de projeto siderúrgica estão em Suape. Proximidade de boa matéria-prima, energia elétrica, disponibilidade de gás natural, mão de obra qualificada e um porto em posição estratégica, resumiu o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Rússia, Antonio Carlos Rosset Filho, que participou do ato de assinatura de Protocolo.

Os dois grupos somam 21 unidades industriais na Rússia e Romênia. A TMK é especialista na fabricação de materiais em ligas do tipo aço carbono. É a segunda maior produtora de tubos metálicos com e sem solda do mundo. Gera 50 mil empregos e tem um faturamento US$ 5,5 bilhões por ano. A Commetpron trabalha com ligas especiais, algumas sem concorrente no País. É a fornecedora da agência aeroespacial russa- a Rosaviakosmos, e tem um faturamento anual de US$ bilhões. Os dois grupos tem representações na maior parte dos países da Europa e estão com a capacidade de produção- que chega a 5 milhões de toneladas de aço por ano –esgotada.

Minério de ferro virá de jazida do Rio Grande do Norte

A jazida de minério de ferro de Jucurutu ( RN ), da Mhag Mineração, que passará a exportar minério pelo porto de Suape a partir de agosto, poderá ser a primeira opção de abastecimento de matéria-prima para a siderúrgica que os russos pretendem instalar no Estado. O interesse explica o anúncio da Companhia Ferroviária do Nordeste ( CFN ) que pretende investir R$ 60 milhões para recuperar o ramal desde o Rio Grande do Norte até Suape.

Grigori Israelevich Goldchleger, da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Rússia, que acompanhou os executivos, disse que o minério de lá “ é de excelente qualidade”. Outras opção não descartada para viabilizar o projeto é trazer minério de Carajás.

O Diretor-Presidente da Mhag Mineração, Geraldo Carvalho, confirmou ter sido visitado pelos empresários russos em São Paulo. “Expliquei que estamos só começando a exploração e estamos fechados para novas encomendas a curto prazo. Mas como o projeto só deve começar a operar em dois anos, até lá poderemos voltar a conversar”, informou.

Os russos mais que de pressa querem garantias de viabilidade do empreendimento. “Tudo começa a ser negociado a partir de agora. Quando falamos em siderurgia, os números são sempre muito elevados. O processo está apenas começando”, explicou Goldchleger.

Para processar uma tonelada de aço é necessário 1 megawatt de energia. Na etapa final da planta industrial a espectativa é de um consumo de 800 mil metros cúbicos de gás natural por dia.

Fonte: Recife, 26 de Maio de 2005- Quinta-Feira.

 





Camara de Comercio e Industria Brasil - Russia
Rua Cornélio Pires, 06, Cep: 04320-140 - São Paulo- S.P - Brasil
Telefone/ Fax: +55 11 3637-7143